O que mais nos agrada nos nossos amigos é a atenção que eles nos dedicam". (
Tristan Bernard )

domingo, 11 de agosto de 2019

Pai consegue redução na jornada de trabalho para cuidar de filha com microcefalia no Sertão da PB

Após 7 anos tendo que dividir o tempo de trabalho com as responsabilidades de cuidar da filha com microcefalia, o servidor público Almir Galdino conseguiu uma redução na jornada de trabalho para poder acompanhar a filha. Apesar da existência de leis que garantem esse direito, ele só conseguiu redução através da defensoria pública.

Almir mora na cidade de Diamante, no Sertão paraibano, com a esposa e três filhos, sendo dois meninos e uma menina. Vívian tem 7 anos de idade e nasceu com microcefalia. Por conta da malformação, ela também sofre outros prolemas, como epilepsia, e não consegue andar, nem falar.

Com todas as limitações, a menina vive dependente dos pais. E quanto mais os anos passam, mais difícil fica. No início a mãe conseguia levar a filha nos braços, mas com o crescimento cada vez mais os problemas exigem a dedicação de outras pessoas.

“Pra se deslocar até as unidades de tratamento é distante, não tem como a minha esposa sozinha dar conta de tudo. Ela precisa de mim também”, diz Almair.

E foi em uma das consultas, em um hospital, que o pai tomou conhecimento das leis 8.996/2006 e 10.834/2016. Elas garantem que mães, pais e responsáveis por pessoas com deficiência tenham a jornada de trabalho reduzida para dar a assistência que o familiar precisa.


Depois de saber disso, Almair, que trabalha como agente de limpeza urbana na cidade de Diamante, procurou a prefeitura municipal e o Ministério Público, mas não obteve êxito. Foi então que ele procurou a Defensoria Pública.

Procedimento



Segundo o órgãos, a defensora pública da Comarca de Itaporanga, Raissa Palitot, expediu um ofício para a prefeitura de Diamante, relatando o caso da família e dando um prazo para que providências fossem tomadas.

O Executivo municipal acatou a notificação e o caso foi resolvido extrajudicialmente. Raíssa explicou que usou as leis estaduais de 2009 e 2016 como base para expedir o ofício. O parecer da Procuradoria Jurídica do município foi entregue à família em julho deste ano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

...............................................................................

...............................................................................