O que mais nos agrada nos nossos amigos é a atenção que eles nos dedicam". (
Tristan Bernard )

terça-feira, 7 de maio de 2019

A história da mãe que achou, em JP, o filho perdido 38 anos atrás

Uma história emocionante. Ela começa em Gama, Distrito Federal, e recomeça em João Pessoa, capital da Paraíba. O repórter Alan Rios, do Correio Brasiliense, conta a saga da mãe que buscou o filho por 38 anos. Separada dele, desde o nascimento e ainda na maternidade, a mulher procurou pistas por décadas. Só agora, véspera do Dia das Mães, o reencontro emocionado, foi possível. A história de Sueli Silva (56) e Ricardo Araújo (38), corretor de imóveis em João Pessoa, tem um final feliz. E eles querem que esse final dure o tempo de todos os próximos anos. Confira a reportagem que mereceu capa no Correio Brasiliense desta terça-feira:

Sueli Silva, 56 anos, passou 38 dias das mães sem saber onde estava o filho Ricardo Araújo, tirado de seus braços na porta do Hospital Regional do Gama (HRG). Mas agora será diferente. Após todo esse tempo, os dois se reencontraram. Primeiro, ela pediu ajuda policial para achar o filho roubado. Anos depois, soube que agentes da 14° Delegacia de Polícia (Gama) encontraram pistas que poderiam indicar quem era o rapaz. Daí, então, veio o exame de DNA, que comprovou a maternidade com o morador da Paraíba. Ela não teve dúvida e seguiu para João Pessoa, no último dia 30, quando pode, enfim, rever o filho. Hoje, os dois retornam para Brasília.

“No momento em que o vi, o agarrei nos braços, falei que ele era bem-vindo na minha vida e que o amei durante todo esse tempo. Foi um momento bem longo e especial. Até agora estou levitando!”, comemorou Sueli. A mãe foi de surpresa a João Pessoa, não aguentava a ansiedade. “Era um momento que esperei durante anos. Na hora me veio um êxtase de felicidade. Percebi que era o que faltava para fechar essa última lacuna da minha vida”, disse ela.
“No momento em que o vi, o agarrei nos braços, falei que ele era bem-vindo na minha vida e que o amei durante todo esse tempo. Foi um momento bem longo e especial”
Sueli Silva, mãe



Sueli disse à reportagem que não sabia qual seria a reação do filho, mas o encontro não foi um presente só para ela. Ricardo Araújo, 38, cresceu sabendo que era adotado, mas seus pais de criação não entraram em detalhes sobre a história do nascimento, disseram apenas que a mãe biológica não tinha condições de criá-lo. Seis meses atrás, em dezembro, a mãe que o criou morreu em um acidente de carro. “Então, a minha cabeça estava a mil, porque ela faleceu. Depois, descobri que a minha mãe biológica estava me procurando. Nos falamos e nos encontramos de surpresa”, contou o corretor de imóveis.
“Fiquei sem reação na hora em que coloquei os olhos nela. Meu corpo gelou dos pés à cabeça, pensando em tudo o que aconteceu nos últimos anos. Tudo me emocionou muito e fiquei extremamente feliz”. Evangélico, Ricardo disse ainda que essa é uma oportunidade que Deus deu a ele de ter novamente a presença de uma mãe. Mas a bênção do presente de um familiar não caiu só sobre ele. Sueli conheceu ainda os três filhos de Ricardo, de 10, 8 e 6 anos. Ela ganhou também três netos! “Foi maravilhoso me ver avó! A impressão que eu tinha era que estavam nascendo meus netinhos naquele dia”, disse.
“A mãe do ano”
Ricardo não vê a hora de conhecer os dois irmãos de sangue, filhos de Sueli (de 21 e 23), e toda a família. “Ele disse que está preparado para criar o vínculo afetivo que nos foi tirado. Vamos reconstruir nossa família”, afirmou Sueli. “Não vejo a hora de tirar aquela bela foto de família que a gente sempre espera”, acrescentou Ricardo. Não teria data melhor para isso do que no próximo dia 12. O Dia das Mães será o primeiro em que Sueli e Ricardo estarão juntos, e promete ainda mais emoções.
“Será o dia mais importante da minha vida, porque agora sou a mãe do ano, a mais feliz do mundo!”, comemorou. O filho lembra ainda que esse é só o começo de uma nova história: “Será a primeira de muitas datas que vamos passar juntos”.
Enquanto vivem esse momento de alegria, nenhum dos dois pensa na possibilidade de procurar, pelo menos agora, o pai de Ricardo, o policial militar que teria saído do país, em 1981, antes de saber da gravidez da então namorada. “Essa possibilidade não está descartada, mas a prioridade é reconstruir nosso vínculo afetivo”, contou a mãe. Ela confessa que agora só pensa mesmo é no dia 12: “Será uma festa tamanho família”, brinca.
“Não vejo a hora de tirar aquela bela foto de família que a gente sempre espera”
Ricardo Araújo, filho  

MEMÓRIA
Trauma que não se esquece
Órfã de mãe e abandonada pelo pai, Sueli passou a infância e boa parte da juventude em um abrigo na Colônia Agrícola de Corumbá, em Goiás. Lá, chegou a ser abusada sexualmente e teve uma relação conflituosa com a dona da instituição, a “tia Marta”. A mulher, que já morreu, é apontada pela Polícia Civil como a provável mandante do sequestro de Ricardo, em 1981.
Após engravidar, aos 16 anos, de uma relação consensual, Sueli viveu um drama quer a marcou por toda a vida: funcionários do abrigo pediram para segurar o filho recém-nascido, enquanto saíam da maternidade do Hospital Regional do Gama (HRG), e sumiram com a criança. A mãe, traumatizada, só conseguiu relatar tudo à polícia em 2013, e a investigação teve fim em 25 abril deste ano, quando agentes da 14ª Delegacia de Polícia (Gama) encontraram Ricardo e o teste de DNA confirmou a maternidade.

Heron Cid

Nenhum comentário:

Postar um comentário

...............................................................................

...............................................................................