O que mais nos agrada nos nossos amigos é a atenção que eles nos dedicam". (
Tristan Bernard )

terça-feira, 31 de julho de 2018

ELEIÇÕES 2018: candidatura de Luiz Couto consolida união PT-PSB e já ameaça "pesos pesados" da política paraibana

Tudo parecia encaminhado para a aliança dos Progressistas (PP) com a pré-candidatura de João Azevedo (PSB). Com direito a reunião na Granja Santana e tudo mais.
Eis que uma inesperada reaproximação dos Ribeiros com os irmãos Cartaxo colocou tudo por terra. 

Foi aí que a habilidade política do governador Ricardo Coutinho (PSB), provada nos testes de fogo de 2010 e 2014, entrou em cena.

Na tentativa de valorizar o passe, o PP levantou a bola para o Partido dos Trabalhadores. E o padre Luiz Couto, convocado por Ricardo, entrou no palco como protagonista.

Eleito quatro vezes deputado federal, o padre sempre se colocou à disposição do partido para a chapa majoritária, mas, a bem da verdade, nunca teve poder decisório no PT.

Sondado nas três últimas eleições para disputar o Senado, Couto sempre foi "docemente" constrangido ao confortável caminho da Câmara Federal.



Em 2006, o PT chegou a discutir a possibilidade de lançá-lo ao Senado, mas a ala que defendia seu nome para fazer frente a Cícero Lucena (PSDB) e Ney Suassuna (PMDB) acabou vencida internamente. O partido indicou o então vereador Luciano Cartaxo (PT) como vice-governador de José Maranhão (PMDB).

Em 2010, o lançamento de Couto para o Senado era um desejo de Ricardo Coutinho (PSB), mas sua derrota no Processo de Eleição Direta (PED) do PT para o então deputado estadual Rodrigo Soares (que foi candidato a vice-governador de Maranhão) jogou o projeto por terra.

Em 2014, Luiz Couto foi novamente convocado pelo PSB para ser senador de Ricardo, mas acabou atropelado pela força do prefeito Luciano Cartaxo e da direção estadual do PT, que preferiu seu irmão gêmeo Lucélio Cartaxo.

Agora em 2018, a bola parecia bater outra vez na trave, mas com uma reviravolta surpreendente, entrou no gol. E Couto será, para alegrias dos "lulistas", finalmente confirmado nesta quarta-feira, 1º de agosto, como candidato a senador na chapa do PSB.

Um parlamentar, diga-se de passagem, que representa bem à Paraíba. Com um nome consolidado, ético e respeitado. Um homem que passou sua vida toda fazendo política com uma trajetória irretocável. Disputa para ganhar.

Para chegar ao Senado, no entanto, Luiz Couto terá uma batalha dura pela frente. O petista enfrentará nomes de peso e estrutura de campanha como o senador Cássio Cunha Lima (PSDB), a deputada estadual Daniella Ribeiro (PP) e o próprio companheiro de chapa, o deputado federal Veneziano Vital do Rêgo (PSB).  

O páreo ainda pode ser mais duro, pois ainda correm por fora os nomes do vice-prefeito Manoel Júnior (PSC), da vice-governadora Lígia Feliciano (PDT) e do ex-senador Ney Suassuna (PRB), que podem pintar na chapa de José Maranhão (MDB) até o momento “solteiro” para candidatos ao Senado.

Por fim, a candidatura de Luiz Couto cumpre uma façanha histórica: unir todas as tendências do PT. Fato inédito na política da Paraíba.

PB Agora


Nenhum comentário:

Postar um comentário

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

.....................................................

.....................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

.

.

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................