“Não pise em ninguém quando estiver subindo, pois poderá encontrá-los quando estiver descendo.” (Domínio público)

.

.

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Prisioneiro tenta fugir vestido de mulher, mas é traído por voz e desequilíbrio com salto alto

A tentativa de fuga de um homem da prisão de segurança máxima em San Pedro Sula, em Honduras, foi frustrada quando os policiais perceberam que aquela figura andando torto sobre os sapatos de salto alto tinha uma voz grossa demais para ser uma mulher.
Dessa forma, não bastou para Francisco Herrera Argueta, de 55 anos, colocar uma peruca loira, óculos escuros, pintar as unhas de rosa e colocar enchimentos no peito, para tentar fugir.
Preso desde 3 de setembro de 2015 por porte de arma de fogo e assassinato, Argueta tentou se passar por uma visitante chamada Jacinta Elvira Araujo, cuja identidade estava com os guardas, segundo a imprensa local. Seu plano era escapar quando o horário de visitas terminasse. No entanto, o andar e a voz masculina o entregaram.

De acordo com o porta-voz da polícia, Bayron Sauceda, Argueta conseguiu passar por diversos pontos de verificação de segurança. Um guarda perguntou o número de identifidade da "visitante", e ele respondeu sem nem ao menos afinar a voz. Nesse momento, o plano já tinha ido por água abaixo e o policial pediu que retirasse os óculos escuros. "A maquiagem não escondeu o fato de que ele era um homem", afirmou o porta-voz, segundo o site britânico "Metro".

Argueta, conhecido como Don Chico, é o chefe de uma gangue. Como consequência de sua tentativa de fuga, ele pode ser transferido para a prisão El Pozo, em Santa Barbara, onde ficam os presidiários mais perigosos.

Extra Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

................................................................

................................................................

................................................................

................................................................

................................................................

................................................................

...................................................

...................................................

................................................................

................................................................

.................................

.................................

.......................................................

.......................................................

.

.