O que mais nos agrada nos nossos amigos é a atenção que eles nos dedicam". (
Tristan Bernard )

terça-feira, 14 de março de 2017

Luiz Couto homenageia Campanha da Fraternidade e pede que deputados saiam do "marasmo"

Foi realizada nesta segunda-feira, 13, às 10 horas, na Câmara dos Deputados, em Brasília, uma Sessão Solene para homenagear a Campanha da Fraternidade 2017, que é promovida pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) desde 1962 durante a Quaresma e que este ano tem como lema "Fraternidade: biomas brasileiros e a defesa da vida". O deputado federal paraibano Luiz Couto (PT) foi um dos autores da proposta de realização do evento, junto com os também petistas Carlos Zarattini (PT-SP), Nelson Pellegrino (PT-BA), Vicentinho (PT-SP) entre outros parlamentares.

"A CNBB quer promover a reunião das pessoas para oração, caridade, vivência da fé e do evangelho e para reflexão de temas relevantes como sociais, políticos, religiosos. Este é sempre um período muito importante para católicos, por ser a preparação para a Páscoa. A Campanha da Fraternidade oferece, então, uma oportunidade para o fortalecimento de vínculos comunitários e o estudo do tema proposto pela CNBB", comentou o deputado Luiz Couto em pronunciamento durante a sessão.


De acordo com Luiz Couto, a temática deste ano traz à tona a natureza, um assunto muito caro aos cristãos. "Com efeito, para nós, todo o mundo material é fruto do amor de Deus, conforme nos ensina o primeiro livro da Bíblia. Como criação divina e, portanto, perfeita, a natureza deve ser contemplada e respeitada".

Em seu pronunciamento, o deputado paraibano destacou que "cultivar e guardar a criação é dever de todos os homens e mulheres". Ele, contudo, explicou que não se trata de defender um "ecologismo extremista", mas sim de entender que o homem pode transformar o meio ambiente para sua sobrevivência, seu aprimoramento e para o bem comum. "A própria palavra de Deus, no Gênesis, diz que permite ao homem o uso dos bens naturais, sem os quais sua vida não seria possível. A encíclica do papa Francisco Laudato si’ — Louvado seja, em português —, subscrita em 2015 convida a humanidade a repensar seu relacionamento com as demais espécies do planeta".

Para Couto, a Campanha da Fraternidade deste ano segue os passos do sumo pontífice, estimulando os brasileiros e brasileiras ao conhecimento e admiração do rico patrimônio natural de nosso país - os seis biomas: Amazônia, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica, Pampa e Pantanal - e engajá-los no esforço de sua preservação.

Apesar do potencial ambiental do País, o deputado lembrou que a exploração predatória de nossos ecossistemas têm sido a regra desde o descobrimento do Brasil. "Este não é um problema que ficou no passado. Ao contrário, a devastação de nossos biomas é uma realidade atual, que precisa ser combatida com ações concretas e imediatas, com respeito aos povos nativos do Brasil, suas identidades culturais seus costumes e suas terras, tantas vezes ameaçadas.

"Este parlamento precisa sair dos marasmo em que se encontra. Há oito Pecs e outros projetos de Lei, na qual destaco a PEC 150/1995, do ex-Deputado Pedro Wilson que versa sobre a Inclusão do Cerrado e a Caatinga nos biomas considerados patrimônio nacional e a PEC 05/2009 do Senador Paulo Paim, que versa sobre inclusão dos biomas do Cerrado, Caatinga e Pampa no rol dos biomas considerados como patrimônio nacional, que estão prontos para serem votados, mas não conseguem sair do papel, por causa da pressão do agronegócio, das madeireiras, dos fundamentalistas e dos que são contra as políticas sociais em favor dos índios, quilombolas e dos ribeirinhos e da agricultura familiar, da reforma agrária. São lobistas adeptos do trabalho escravo ou análogo a escravidão", denunciou Luiz Couto.

O parlamentar encerrou seu pronunciamento enaltecendo enfaticamente a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil 'pela elevada contribuição que presta à sociedade brasileira, a mais de 50 anos, com a realização da Campanha da Fraternidade".


Ascom do Dep. Luiz Couto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................