O que mais nos agrada nos nossos amigos é a atenção que eles nos dedicam". (
Tristan Bernard )

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Prefeitos paraibanos devem aumentar impostos para enfrentar crise e ajustar finanças dos municípios

Com decretos de calamidade financeira cada vez mais frequentes, os prefeitos paraibanos devem recorrer agora a elevação de impostos para tentar ajustar as finanças dos municípios. Em entrevista ao Portal MaisPB, o presidente da Federação das Associações dos Municípios (Famup), Tota Guedes, explicou que a situação nos municípios é preocupante com quedas de até 16,5% nas receitas.

A alternativa apontada por Tota Guedes para enfrentar a crise é elevar a carga tributária e regulamentar a cobrança de novos impostos. “Nós temos em vários municípios um código tributário ultrapassado, com IPTU e ISS defasados. Muitas cidades sequer cobram taxa de iluminação pública. Essas são medidas que podem ser adotadas pelos gestores”, avaliou.

“A nossa orientação é para que os prefeitos cortem despesas e enxuguem a máquina ao máximo”, disse. Ele prevê que os investimentos nos municípios também devem ser paralisados diante do cenário econômico. “O ideal é esperar até abril para ver como as receitas se comportam e somente então discutir possíveis investimentos”, afirmou.

Ele ainda aponta o reajuste do salário mínimo e no piso dos professores com fortes impactos nas finanças municipais. “A situação é preocupante, mas todos os municípios irão conceder reajuste porque é constitucional”, afirmou.

MaisPB

Nenhum comentário:

Postar um comentário

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................

...............................................................................